Medicina Dentária

Dentisteria Operatória

Trata-se da área da Medicina Dentária responsável pelo tratamento de cáries, restituindo a anatomia dentária. O tratamento passa pela remoção de toda a estrutura dentária que se encontra cariada, até encontra tecido duro. Este procedimento resulta na formação de uma cavidade que é preenchida com um de dois materiais restauradores altamente biocompatíveis: amálgama ou resina composta.
Para além da cárie dentária, a Dentisteria poderá solucionar situações de traumatismos e fracturas dentárias, alterações de cor ou malformações dentárias congénitas, alterações da morfologia e/ou posicionamento dentário e encerramento de diastemas.


Cirurgia Oral

No âmbito da Cirurgia Oral são realizadas extracções dentárias simples, extracções de dentes inclusos ou supranumerários, remoção de quistos e outras lesões dos tecidos orais, biopsias, drenagem de abcessos, frenectomias, vestibuloplastias, apicetomias entre outras, sendo esta uma das áreas mais abrangentes da Medica Dentária.
De salientar o caso dos dentes inclusos, sendo que os dentes do ciso são os que mais frequentemente se encontram inclusos e/ou mal posicionados nas arcadas, uma vez que estes são os últimos dentes a erupcionar e grande parte das vezes não há espaço disponível. Podem surgir diversas complicações decorrentes destas peças dentárias se não forem removidos, tais como cáries, parestesias (ausência de sensibilidade), apinhamento dos restantes dentes, formação de quistos ou tumores, pericoronarites (inflamação dos tecidos adjacentes), dor e interferência na adpatação de próteses.


Endodontia

A Endodontia estuda a polpa dentária, o sistema de canais radiculares e os tecidos periapicais, bem como todas as patologias que os atingem. Nos casos de lesões da polpa dentária decorrentes de cáries profundas, fracturas, trauma ortodôntico, lesões endo-periodontais, necessidades protéticas e outras patologias endodônticos torna-se necessário proceder ao tratamento endodôntico do dente (desvitalização), de forma a manter o dente em função na cavidade oral.
Quando o dente apresenta problemas do foro endodôntico surgem sintomas como a dor espontânea, sensibilidade prolongada a estímulos frios e/ou quentes, dor ao toque ou durante a mastigação, presença de abcesso ou fístula.


Reabilitação Oral

A área da Reabilitação Oral é das áreas mais abrangentes na Medicina Dentária, uma vez que, as opções para substituir um dente perdido são variadas.
Ao contrário do que se possa pensar a perda de um dente é de extrema importância porque traz alterações significativas a nível funcional já que a perda de uma peça dentária provoca uma diminuição da capacidade mastigatória, alterações fonéticas e oclusais (o que pode levar a problemas graves na articulação temporo-mandibular). Para além disso, ao provocar alterações a nível estético está também a contribuir para o desiquilibrio do bem-estar físico, psicológico e social do paciente. Posto isto, assim que ocorra uma perda dentária o paciente deve procurar subsituir a peça em questão o mais rápido possível, recorrendo às próteses dentárias que visam restabelecer os problemas estéticos causados pela falta de dentes, bem como restaurar as funções mastigatória e fonética.
A Reabilitação Oral divide-se em duas áreas fundamentais a Prótese Removível e a Prótese Fixa.


PRÓTESE REMOVÍVEL
As próteses removíveis destinam-se a substituir uma ou várias peças dentárias, podendo ser totais ou parciais e, tal como o próprio nome indica podem ser retiradas pelo paciente sempre que assim o entender. Dentro das próteses removíveis encontram-se as próteses acrílicas e as esqueléticas. As próteses removíveis acrílicas são as mais utilizadas por razões económicas, uma vez que, são também as mais baratas.
Por seu lado, as próteses esqueléticas apresentam um componente metálico chamado de esqueleto e apoiam-se nos tecidos duros e nos dentes naturais presentes na cavidade oral.



PRÓTESE FIXA
As prótese fixas incluem as coroas e as pontes, podem ser feitas sobre dente natural ou sobre implantes e apresentam vantagens relativamente às prótese removíveis porque proporcionam mais conforto ao paciente e permitem resultados estéticos excepcionais bem como maior durabilidade.
Actualmente são vários os materiais disponíveis para confeccionar as próteses fixas desde metal, cerâmica, zircónia, entre outros.
As coroas são utilizadas para reconstruir a coroa natural do dente que foi destruída por trauma ou cárie, quando ainda existe algum remanescente dentário que possibilita esta opção.
As pontes destinam-se à substituição de um ou mais dentes perdidos, utilizando os dentes adjacentes como apoio à prótese.